Níveis de motivação e desempenho transformam seus funcionários em diferentes aves. Como lidar com cada uma?


Níveis de motivação e desempenho transformam seus funcionários em diferentes aves. Como lidar com cada uma?

Napoleão foi um dos líderes mais estratégicos da História, que defendia o conceito de meritocracia e que teria proposto um modelo que classificava seus soldados em quatro tipos:

· Inteligentes com iniciativa (que ele dava as funções de comandantes gerais e estrategistas)

· Inteligentes sem iniciativa (os deixava como oficiais para receberem ordens superiores)

· Ignorantes sem iniciativa (os colocava na frente da batalha)

· Ignorantes com iniciativa (não os queria em seus exércitos!)

George Odiorne, dois séculos depois, trouxe a matriz que combinava Potencial (inteligência e condições de encarreiramento vertical na empresa) e Desempenho (competência e comprometimento).

Para ilustrar os 4 tipos possíveis nesta matriz, na década de 90 eu mesma propus uma analogia com 4 aves:

· Águia: Alto Potencial e Alto Desempenho, ou seja, inteligentes e trabalhadores: são aqueles que aprendem com facilidade, são motivados, trazem ótimos resultados e demonstram consistentemente elevado grau de comprometimento. Resumo: Quociente Intelectual (QI) e Quociente Emocional (QE) altos. Como gerenciá-los? Da forma mais diferenciada possível: dando autonomia, espaço, desafios, promoções e reconhecimento.

· Galinha dos Ovos de Ouro: Trabalhadores, mas apenas medianamente inteligentes. São competentes e comprometidos, mas teriam muita dificuldade para assumir no curto prazo cargos mais complexos e de maior envergadura (“bateram a cabeça no teto”). Resumo: QI alto e QE baixo ou o inverso. Como gerenciá-los? Dando reconhecimento, desafios proporcionais, enriquecendo seus cargos, propondo carreira em Y e estimulando-os para que invistam no seu autodesenvolvimento e aumentem seu potencial no médio e longo prazo.

· Pavões: Inteligentes, mas que ficam na “zona de conforto, demonstrando comprometimento, performance e motivação instáveis. Resumo: QI alto e QE mediano. Como gerenciá-los? Tentar reverter o quadro com urgência, fazendo coaching, dando feedbacks e negociando planos de ação agressivos e eficazes. Se funcionar ótimo, senão repensar a decisão de mantê-los na empresa (o prazo que as empresas costumam dar é o de 90 dias).

· Avestruzes: Limitados e Incompetentes. Resumo: QI e QE baixos. Como gerenciá-los? Tentar reverter o quadro com MAIS urgência ainda, fazendo coaching, dando feedbacks e negociando planos de ação. Se der certo muito bem, senão “recolocá-los no concorrente”…

Esta tipologia é interessante para nos dar parâmetros de reflexão sobre nossos times e sobre nós mesmos, quem somos e quem poderíamos vir a ser. Em síntese, um instrumento para aprimorar diagnósticos, desenhar planos de ação e tomar decisões mais pragmáticas e sensatas quanto à gestão de pessoas. 

 

Sandra Betti é sócia-diretora da consultoria MBA Empresarial, especialista em Assessment Center, Identificação de Talentos, Desenvolvimento Gerencial  e Team Building, e também escreveu sobre como formar uma equipe de alta performance.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s